Clique abaixo para manter o site online

Crise do coronavírus provoca cancelamento


56 anos, descobriu em novembro um câncer colorretal em estágio dois. Imediatamente, entrou em contato com sua operadora de saúde para solicitar a liberação da cirurgia em São José dos Campos (SP), onde vive. “Recebi a autorização do plano privado na semana passada, mas o hospital cancelou a operação, mesmo meu caso sendo grave”, conta. O Hospital Santos Dumond suspendeu a realização de procedimentos cirúrgicos para que os leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) fiquem disponíveis para pacientes graves com Covid-19. “Até agora, não recebi nenhuma orientação médica sobre começar agora a quimioterapia ou não. Inicialmente, faria esse tratamento depois da cirurgia”, lamenta Gracielena.

Cancelamento de cirurgias, suspensão de tratamentos e até transplantes de órgãos em todo o Brasil. O Ministério da Saúde recomendou, na semana passada, o adiamento de cirurgias eletivas procedimentos que não precisam ser realizados em caráter de urgência e publicou um ofício com recomendação para suspender a captação e transplante de córnea e ossos, bem como a busca de tecidos para transplantes. Os transplantes de órgãos sólidos, como coração e pulmão, devem ser mantidos. O Estado do Rio Grande do Norte já suspendeu a captação de órgãos. Na quarta-feira, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, informou que o adiamento de cirurgias eletivas já desocupou 30% dos leitos de UTI do país.

Entre 2008 e 2019, de acordo com a Secretária de Saúde do Estado, só estão suspensos os transplantes com doador vivo (como o de rim, por exemplo). "Mantemos os outros transplantes, sempre explicando o risco-benefício da cirurgia para o paciente. A verdade é que tem pessoas que, se não morrerem em decorrência da Covid-19, podem falecer pela falta do transplante”, explica a médica Eliana Régia, coordenadora da Central de Transplantes do Ceará.

Órgãos, explica que a suspensão desses procedimentos tem acontecido em todo o mundo em decorrência do coronavírus, mas alerta que, no Brasil, a avaliação deve ser feita “dia a dia”, à medida em que o panorama de contágio evolui. “O que temos visto é um cancelamento generalizado, mas alguns serviços médicos têm UTIs exclusivas para o setor cirúrgico, que devem ser usadas para isso. Há pessoas que não podem esperar. Já outras, que fazem, por exemplo, hemodiálise e estão estáveis, podem esperar três ou quatro meses”, diz ele.

20 anos, que há cinco anos espera por uma cirurgia no Hospital na Santa Casa de Santos, depois de romper o ligamento do joelho direito. “Depois de todo esse tempo, consegui fazer os exames pré-operatórios no mês passado. Mas, na sexta-feira (20/03), me ligaram para dizer que a consulta para marcar a cirurgia estava cancelada por conta do surto de coronavírus e que não há previsão de remarcação”, lamenta.

Diretor do serviço de terapia intensiva do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo diz que, nesse centro de saúde, estão “esticando a corda até onde dá” para realizar as cirurgias necessárias. “O adiamento não é uma atitude simples. É tranquilo adiar uma cirurgia estética, mas, no caso de um paciente com câncer, a operação pode ter impacto importante de sobrevida. Por isso, equipes cirúrgicas estão tentando operar o máximo”, diz.

Deixados em segundo plano. “Não faz sentido também deixar 10 leitos vagos agora, esperando pacientes com Covid-19 e ter pessoas com câncer sem ser operadas. Essa gestão é refinada, deve-se olhar caso a caso com sabedoria, porque vidas estão em jogo”.


FONTE: Brasil Elpais

Postar um comentário

0 Comentários